Estética

Criolipólise, a ação do frio contra a gordura localizada

10 de agosto de 2015  •  por Casa da Estética

crio

A gordura localizada perdeu a vez com a criolipólise e você sabe disso! A nova sensação da estética atualmente tem invadido os centros estéticos e lotado as agendas! O tratamento não é invasivo e tem as baixas temperaturas como aliadas. A origem deste nome é uma junção de termos. Crio é derivado do vocábulo grego “kryos” e significa frio, já lipo é igual a gordura e lise é sinônimo de destruição. Perfeito, não é?

Se você ainda não conhece, a fisioterapeuta e técnica de tratamentos da Casa da Estética, Bruna Tanzillo, explica como tudo funciona. “O procedimento é baseado no resfriamento seletivo dos adipócitos, a fim de promover sua cristalização e, consequentemente a apoptose, ou seja, sua morte celular programada”. A ação acontece sem causar nenhum dano ao corpo de quem pretende se submeter à técnica.

A criolipólise é indicada para a redução de gordura localizada em diversas regiões corporais, como abdômen, costas, flancos, coxas e braços. A sessão dura cerca de 60 minutos e, em muitas vezes, não é preciso fazer mais do que uma aplicação.

O equipamento próprio para realizar a técnica é uma máquina que, por meio de uma manopla, faz a sucção da região (que deve estar protegida por uma membrana descartável) e congela internamente as células de gordura. Ela precisa também ser regulamentada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Tanzillo dá alguns exemplos de aparelhos ideais para a prática. “Existem diversos equipamentos que realizam a técnica, um deles é o Fusiomed, que apresenta a técnica de criolipólise associada ao sistema liposhock. Ele combina movimentos de pressão e descompressão tecidual e radiofrequência bipolar a fim de proteger a epiderme e derme contra danos, além de evitar a flacidez”, explica.

A técnica é realmente muito eficaz, mas nem todas as pessoas podem fazê-la. A fisioterapeuta enumera quem não pode fazer o tratamento. “Algumas contraindicações são pacientes gestantes, portadores de marca-passo, com doença de base descompensada, com qualquer síndrome ou hipersensibilidade relacionada ao frio ou ainda com algum distúrbio de circulação ou sensorial”.